O transtorno da compulsão alimentar periódica afetará um em cada cinquenta de nós ao longo da vida, é o mais comum, mas menos compreendido. Não se trata de ser ganancioso ou de falta de força de vontade, mas de uma séria doença mental da qual muitos sofrem sozinhos, muitas vezes com medo de como os outros possam reagir por não pedirem ajuda.

Durante a Semana de Conscientização sobre Transtornos Alimentares, você pode começar a ajudar a mudar isso.

Os transtornos alimentares são doenças mentais graves que afetam pessoas de todas as idades, sexos, etnias e origens. Pessoas com transtornos alimentares usam o comportamento alimentar desordenado como uma forma de lidar com situações ou sentimentos difíceis. Esse comportamento pode incluir limitar a quantidade de comida ingerida, comer grandes quantidades de comida de uma só vez, livrar-se de alimentos ingeridos por meios não saudáveis (por exemplo, adoecer, usar laxantes, jejum ou exercícios excessivos) ou uma combinação desses comportamentos .

É importante lembrar que os transtornos alimentares não se referem apenas à comida em si, mas aos sentimentos. A maneira como a pessoa trata a comida pode torná-la mais capaz de lidar com a situação, ou pode fazê-la sentir-se no controle, embora ela possa não estar ciente do propósito desse comportamento. Um transtorno alimentar nunca é culpa da pessoa que o experimenta, e qualquer pessoa que tenha um transtorno alimentar merece apoio rápido e compassivo para ajudá-lo a melhorar.

Para que os profissionais de saúde possam escolher o tipo certo de tratamento para alguém, existem diversos transtornos alimentares que podem ser diagnosticados com uma pessoa. É possível que alguém alterne entre os diagnósticos se seus sintomas mudarem – geralmente há muitas sobreposições entre os diferentes transtornos alimentares.

Os tipos de transtornos alimentares incluem:

Anorexia
ARFID – Avoidant Restrictive Food Intake Disorder
Transtorno de Compulsão Alimentar
Bulimia
OSFED – Other Specified Feeding or Eating Disorder

É comum que as pessoas sejam diagnosticadas com “outro distúrbio alimentar ou alimentar especificado”(OSFED). Este não é um tipo de transtorno alimentar menos sério – significa apenas que o transtorno alimentar da pessoa não corresponde exatamente à lista de sintomas que um especialista irá verificar para diagnosticar anorexia, bulimia ou transtorno da compulsão alimentar periódica

Os distúrbios alimentares podem ser fatais e causam sérios danos físicos e emocionais. Mas, embora sejam doenças graves, os distúrbios alimentares são tratáveis. Sabemos na Beat pelo nosso contato diário com as pessoas afetadas que é muito possível fazer uma recuperação completa. Como qualquer outra doença, quanto mais cedo alguém com transtorno alimentar for tratado, maior a probabilidade de recuperação. O mais importante é colocar você ou a pessoa que está apoiando no tratamento o mais rápido possível.

FONTE: https://www.beateatingdisorders.org.uk/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *